Você reconhece a importância de um bom programa de onboarding para a qualquer organização?

Mariana Gardenal

Learning Designer

Uma nova perspectiva sobre o onboarding e porque se preocupar com a estrutura de um programa que considere verdadeiramente a experiência vivenciada pelo novo colaborador.

Avaliações, entrevistas, papelada, exames. Isso tudo é parte habitual do processo de contratação de um novo colaborador. Contrato assinado, inicia-se uma nova etapa: o onboarding – ou integração, como é mais conhecida.

Aí vem chá de cadeira na recepção ou na vídeo-chamada com o novo chefe, vídeo institucional longo, carta do presidente, reportagem antiga sobre o mercado, bom dia chocho do colega que foi incumbido de te receber, mas tem mil e uma atividades para fazer. 

E o pior, não receber as informações críticas para começar a operar e se adequar à nova cultura. Essa é a experiência que boa parte dos novos colaboradores enfrenta ao ser contratado. 

Identificou-se ou já ouviu alguém reclamando sobre isso? Infelizmente, essa jornada pode ser ainda pior para os que tiveram de passar por um processo com conteúdo defasado ou mesmo para quem sequer passou por um onboarding e já começou, como dizem, com a mão na massa. Só que essa insatisfação pode custar bem caro. 

Segundo pesquisa realizada pela Gallup apenas 12% dos funcionários concordam plenamente que sua organização faz um ótimo trabalho de integração de novos funcionários. Isso significa que 88% não acreditam que trabalham em lugares que fazem algo nesse aspecto que valha a pena – deixando claro que há muito espaço para melhorias.

Outro dado alarmante é que, de acordo com a Digitate, os funcionários que tiveram uma experiência negativa de integração têm o dobro de probabilidade de procurar outras oportunidades de carreira num futuro próximo, o que pode dobrar o custo e o tempo de contratação para uma única vaga, além de causar impacto em produtividade.

Já uma outra pesquisa, da Glassdoor, revelou que as organizações que possuem um bom programa de onboarding melhoram a retenção de novos contratados em 82% e a produtividade em mais de 70%! E, para nós da Building 8, isso tem tudo a ver com employee experience & customer experience.

Vamos explicar…

A experiência do cliente e a experiência do profissional são reconhecidas como duas das forças motrizes mais poderosas dos negócios. Isso porque, de forma independente, cada função leva a construção de relacionamentos valiosos. 

Mas é quando a employee experience e a customer experience estão super alinhadas e são abordadas juntas que elas são capazes de criar uma vantagem competitiva única e sustentável. 

Afinal, o profissional interno pode ser considerado como o primeiro cliente do negócio e, à partir dessa experiência, o consumidor também passa a ser impactado positivamente.

Por isso entendemos que trabalhar nessas duas dimensões, employee experience & customer experience, já no programa de onboarding é fundamental para consolidarmos o jeito de ser e fazer da companhia de forma mais ampla e, consequentemente, efetiva! 

E nada de programas de apenas uma semana!

A HCI afirma que a maioria das organizações realiza seu processo de integração em apenas uma semana. Como também não é novidade, sem nenhum suporte, muitos dos novos colaboradores acaba se sentindo confuso, desencorajado e sem suporte ou recursos.

Não à toa, já é uma tendência a observação de que os melhores programas de integração de funcionários se estendem ao longo dos primeiros 90 dias ou até mesmo por um ano inteiro – para garantir que os novos contratados tenham suporte total à medida que avançam em proficiência e produtividade. 

Mas isso não aumenta muito o valor do programa? Para nós a resposta é: o valor agregado sim. Já o valor investido não necessariamente.

E foi considerando todas essas variáveis que lançamos um novo modelo de programa de onboarding.

Com ele, queremos que o novo colaborador perceba, desde o instante seguinte à formalização da sua contratação, que acaba de entrar para um grupo único, com pessoas que valorizam umas às outras e, ainda, reconhecem a importância da cultura, dos valores e do propósito compartilhado continuamente.

Um programa que dá suporte durante os meses críticos de chegada desse novo colaborador e diminui o “time to market” porque acolhe e alavanca suas competências e o trabalho em equipe. 

Quer saber mais sobre como estruturamos um onboarding de sucesso?

Entre em contato!

Fonte: https://www.saplinghr.com/10-employee-onboarding-statistics-you-must-know-in-2020